Regenesis: Livro considera métodos de produção de alimentos mais sustentáveis

Produção de alimentos mais sustentáveis Produção de alimentos mais sustentáveis

Em seu novo livro, “Regenesis”, George Monbiot – um famoso jornalista e ativista ambiental – elencou os problemas atuais da agricultura, bem como os desafios que ela possui para o futuro. Ademais, ele ainda mencionou que a produção de alimentos mais sustentáveis é uma boa opção para melhorar o setor.

Além disso, ele apresenta alternativas para uma nova forma de alimentação mais sustentável, baseado em uma experiência e conhecimento na área agrícola. Para começar, o capítulo inicial apresenta a relação de Monbiot com a agricultura em sua própria casa, cavando o seu pomar e descobrindo uma pequena fauna.

Neste sentido, após cultivar alguns alimentos e lidar com alguns seres vivos do solo, ele aponta que a saúde do solo é crucial para a nossa sobrevivência, especialmente porque os processos nos solos são os reguladores da vida humana acima do solo.

Produção de alimentos mais sustentáveis
Produção de alimentos mais sustentáveis (Reprodução: divulgação)

Dessa forma, Monbiot ainda traz uma reflexão ao falar que esses ecossistemas são profundamente complexos, e que não devem ser estudados de forma individual – pois se trata de um fenômeno global. Para isso, ele também elenca que a ameaça das mudanças climáticas é um grande problema para a produção de alimentos.

IMPERDÍVEL:  UCB Power abre seletivo em várias cidades do Brasil para técnicos, analistas e engenheiros

A produção de alimentos mais sustentáveis é uma nova realidade?

Durante os anos, uma grande mudança nas dietas ocidentais trouxe uma troca de alimentos. Assim, ao invés de uma grande quantidade de plantas, estamos acostumados a cultivar e consumir alguns alimentos específicos, tais como arroz, milho e trigo. Sendo assim, foi criado as conhecidas “fazendas padrões”.

Dessa maneira, tal mudança resultou em um cultivo a base de pesticidas e fertilizantes, extremamente químicos, mas necessários para a produtividade. Como consequência, temos uma grande vulnerabilidade no sistema, que está dependente de fornecedores de sementes, fertilizantes e pesticidas.

Somado a essa questão, estão alguns fatores ambientais como erosão, ameaças de seca, perda de matéria orgânica e contaminação. Sem contar as fazendas de laticínios, onde os excrementos dos animais são descartados nos cursos d’água, poluindo as águas e estimulando a morte de vários organismos aquáticos, em um fonema conhecido como “eutrofização”.

IMPERDÍVEL:  UCB Power abre seletivo em várias cidades do Brasil para técnicos, analistas e engenheiros

Além disso, por não haver uma produção de alimentos mais sustentáveis, alguns outros problemas ambientais aparecem. Entre eles estão metais, microplásticos, fertilizantes, e outros contaminantes, que oferecem uma grande poluição ao ecossistema, como um revés da expansão da agricultura.

Baseado no cenário atual, Monbiot discute e propõe exemplos de práticas de manejo da terra que possam regenerar solos contaminados e ecossistemas. Devido a sua preocupação com o futuro do planeta, ele também levanta a questão da pecuária e subsídios agrícolas, que prejudicam o meio ambiente devido ao aumento das áreas de cultivo.

Por fim, o autor apresenta uma produção de alimentos mais sustentáveis sem fazenda – por meio de bactérias que produzem carboidratos, vitaminas e proteínas. Assim, além de exigir uma menor quantidade de solo, seria benéfico ao meio ambiente por ser atendida por energia solar e outras fontes de energia renováveis.

Tags: | |

Sobre o Autor

Bruno Teles
Bruno Teles

Entusiasta de informações completas e de conteúdos que possam ajudar a melhorar nosso planeta azul.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *