Dólar sobe mais de 3% e atinge R$ 4,78

Por Felipe Souza

O dólar voltou a subir após uma queda brusca nos últimos meses. Nesta sexta feira (22 de abril de 2022) ele ganhou um respiro após as medidas agressivas que o banco central americano tomou como uma medida de frear a queda valorativa da moeda.

Imagem: REUTERS/Thomas White

Vale relembrar que na quarta feira o dólar estava cotado em apenas R$ 4,6194. Valor o qual estava expressivamente menor do que hoje. O dólar chegou a registrar uma queda de quase 20% frente ao real neste ano, percentual bastante inusitado para a moeda mais utilizada no mundo.

PARA VOCÊ:
Auxílio Brasil bloqueado: O que fazer quando o benefício for bloqueado pelo governo?

Dólar sobe novamente: O que está fazendo o mercado oscilar tanto?

Os mercados exteriores continuam seguindo uma pauta de aumento de juros, principalmente nos EUA. A inflação se tornou um sério problema em grande parte do mundo, e a redução do crescimento econômico é uma realidade em um amplo número de países.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, alegou que o aumento de 0,5 pontos percentuais de juros estará sobre as mesas quando o Federal Reserve se reunir no mês de maio, alegando que há a necessidade de agir ainda mais rápido.

PARA VOCÊ:
FGTS: Saque extraordinário começa na quarta-feira

A inflação atingiu um ponto três vezes mais alto do que a meta de 2%. A expectativa é que o banco central intensifique a dose do aperto monetário frente à inflação mais elevada dos últimos quarenta anos. Além disso, o índice do dólar está em um cenário extremamente pessimista diante dos seus rivais.

Apesar do dólar ter subido mais de 3% recentemente, ainda não há um cenário muito otimista para o mesmo. Levando-se em conta os últimos meses, o dólar segue abaixo da sua média de preço frente ao real. Portanto a tendência do dólar ainda é de desvalorização frente ao real durante os próximos meses.

PARA VOCÊ:
FGTS pode ser usado para pagar parcelas atrasadas do imóvel

Portanto é importante ressaltar que as previsões podem ser alteradas de acordo com as mudanças geopolíticas e internas que afetem diretamente ou indiretamente os Estados Unidos e sua moeda oficial.

Fonte: g1.globo.com
Artigos relacionados