Notícias

Atualizado em 30/07/2019 às 20h57

'Julho Amarelo' realizou 2,4 mil atendimentos e distribuiu 15 mil preservativos

A Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), encerrou a campanha "Julho Amarelo: Mês de conscientização das hepatites virais". Durante todo mês de julho, várias ações coordenadas pelo Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) foram realizadas em diversos bairros da cidade. O balanço da campanha contabilizou 2.434 atendimentos no serviço e nas ações foram realizados 4.112 testes rápidos, totalizando 6.546 exames e distribuídos 15 mil preservativos. Foram diagnosticados durante a campanha 11 casos de Hepatite B, 6 casos de Hepatite C, 25 casos de HIV e 85 casos de sífilis.

A abertura da Campanha ocorreu no Belo Centro, no Centro Comercial, foi até à vila balneária de Alter do Chão, passou pela Aldeia, na Praça Tiradentes, Parque da Cidade e Santa Clara, entre outros.

Leia também:

Uma ação bastante importante desenvolvida dentro da Campanha foi a capacitação oferecida para profissionais da beleza, como manicures, barbeiros, tatuadores, etc. "É uma maneira de trabalhar a prevenção na ponta e impedir a proliferação das hepatites", explica Ana Lúcia, coordenadora do CTA.

A Campanha "Julho Amarelo" faz referência ao dia 28 de julho, data escolhida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para celebrar o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. A campanha foi instituída em 2019 pela Lei Federal 13.802. O objetivo é chamar a atenção para a luta contra às hepatites virais, reforçando as iniciativas de vigilância, prevenção e controle do agravo.

"Nosso trabalho é permanente no combate às hepatites, mas o Julho Amarelo tem uma importância muito grande, pois ajuda a intensificar as ações e trabalha de forma pontual a conscientização das pessoas. Um grande serviço à saúde pública e ao cidadão santareno", argumenta Dayane Lima, secretária municipal de Saúde de Santarém.

De acordo com o Ministério da Saúde, milhões de pessoas no Brasil são portadoras do vírus das hepatites B e C e não sabem, correndo o risco de evoluírem para a doença crônica, cujas consequências mais graves são a ocorrência de cirrose ou câncer hepático. O Brasil registrou 40.198 casos novos de hepatites virais.

A falta do conhecimento da existência da doença é o grande desafio, por isso a recomendação é que todas as pessoas com mais de 40 anos de idade façam o teste gratuitamente em qualquer unidade de saúde e, no caso positivo, façam o tratamento que está disponível na rede pública de saúde.

 

Colaborou Alailson Muniz 

Alanda Matos Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação