O FGTS passa a ser utilizado como forma de pagamento de parcelas atrasadas de imóvel a partir do dia 2 de Abril. O mutuário que for inadimplente com o pagamento da casa própria pode usar o fundo de garantia de tempo de serviço para negociar até doze prestações atrasadas. O conselho curador do FGTS aprovou tal medida no dia 20 de Abril.

Essa medida terá duração até 31 de dezembro. Já faz um tempo que o Fundo de Garantia pode ser usado tanto para reduzir o preço das prestações futuras ou abater os atrasos de até 90 dias. Mas o uso dos recursos para o pagamento de mais de 3 parcelas atrasadas costumava necessitar de autorização da Justiça, fato que mudou agora.

Conforme o conselho curador, há 80.000 mutuários dos financiamentos habitacionais com número de atraso superior a 3 parcelas. E com 3 meses atrasados já estão configurados em inadimplência grave. Entre os 80 mil mutuários, 50% têm a conta vinculada com o FGTS.

Durante o dia 27 de Abril, a Caixa Econômica Federal, responsável pela administração do fundo de garantia, realizou a atualização das regras. E conforme os bancos, você pode sacar os recursos em parcela única, e poderá usar o débito para negociar as respectivas prestações.

FGTS poderá ser utilizado para pagar parcelas atrasadas

O trabalhador que tiver interesse em quitar suas parcelas que não foram pagas, deverá procurar o banco responsável pelo financiamento habitacional. Com isso, o mutuário assinará o documento de autorização de movimentação da conta vinculada do fundo de garantia, e assim poderá abater um percentual de até 80% da prestação, de até 12 parcelas de atraso.

Esse mecanismo será válido apenas para imóveis de até R$ 1,5 milhões de reais. Aqueles que utilizarem o saldo em conta do FGTS para reduzir o saldo devedor e também o número de prestações, não vai mais poder usar os fundos para realizar a quitação das prestações que não foram pagas antes do final deste intervalo.

Esta postagem foi modificada pela última vez em 2 de maio de 2022 15:32