Notícias

Atualizado em 12/08/2019 às 19h32

Semana do Estudante em Santarém discute a luta da mulher negra na história

A programação da Semana do Estudante, na rede municipal de ensino, em Santarém, será realizada no período de 12 a 16 de agosto, com o tema: "25 de julho, Dia Nacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha", segundo informou a Secretária de Educação, Mara Belo.

A secretária Belo comentou que apesar do Dia do Estudante ser comemorado em 11 de agosto, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) fez a abertura da Semana do Estudante nesta segunda-feira, 12. Segundo a secretária, o tema deste ano será mais reflexivo e vai tratar sobre a mulher negra na história desde Tereza de Benguela, que foi uma estrategista militar e liderança política do Quilombo Quariterê, em Minas Gerais, a Wilivane Melo, uma mulher brilhante, muito envolvida na educação e na luta pelos Direitos Humanos, em Santarém e na região.

A secretária de Educação disse ainda que o tema é histórico, mas é também contemporâneo e isso deve estar no centro das discussões das escolas da rede municipal de ensino, sem esquecer-se da atualidade sobre as mulheres negras que são referências dentro da sociedade pela história de luta por liberdade, por justiça e por reconhecimento.

Sobre as mulheres homenageadas destacou a senhora Ana Cleide, presidente do Quilombo Saracura, que merece todo o reconhecimento. Belo revelou que Ana Cleide é uma mulher que inspira as pessoas com suas composições musicais e poéticas, sendo também uma referência dentro do próprio Quilombo. A outra homenageada é a promotora do Ministério Público Estadual, Lilian Braga, que também é referência em suas lutas por educação e saúde, direitos básicos da população, além disso, muito envolvida na comunidade santarena e têm contribuído com o fortalecimento da rede municipal de ensino por meio de várias discussões, principalmente, sobre o empoderamento feminino e, hoje, sobre a mulher negra na história.

A promotora do Ministério Público Estadual, Lilian Braga, comentou que a proposta de que fosse discutido na Semana do Estudante na rede municipal de Santarém é um tema necessário e visa como foco combater dois grandes problemas que são o racismo e o machismo. "Propusemos pra Semed discutir sobre as mulheres negras e o papel dessas mulheres em nosso espaço social". Segundo Braga, a proposta foi recepcionada pela secretaria e hoje se vê essa manifestação de mulheres, mostrando aos estudantes as mulheres negras de referência e que são exemplos de inspiração no Brasil e fora do Brasil. "Que elas possam inspirar nossas meninas e as façam perceber as possibilidades de atuação em diversas áreas profissionais, sociais e culturais, ocupando os espaços possíveis de oportunidade e que o nosso lugar seja qualquer um desses lugares", concluiu.

Doutoranda em Desenvolvimento Socioambiental, mestre e pesquisadora sobre as relações Étnico-Raciais, a professora Girlian Sousa, disse que o assunto discutido na abertura da Semana do Estudante serviu para mostrar aos alunos um novo olhar sobre a mulher negra, principalmente, pela forma como a história do Brasil foi contada. Para ela, foi a forma distorcida que tornou a mulher negra praticamente invisível na história e até hoje é vista como alguém que serve apenas para desempenhar cargos subalternos, parece que essa mulher não pode ser uma intelectual e nem participa da luta pela formação do Brasil. "Mas o certo é que nós estamos em diversos campos da sociedade e da economia, com uma atuação fortíssima no campo intelectual, mas infelizmente por conta do racismo estrutural da sociedade muitas vezes somos invisibilizadas", lamentou.

Na exposição aos alunos e convidados, Girlian mostrou diversas mulheres que tiveram papel relevante no mundo, no Brasil, na Amazônia e em Santarém. Na Amazônia, destacou Wilma de Nazaré Baia Coelho, pedagoga, mestra, doutora em Educação e professora da UFPA, desde de 1994; em Santarém destacou a luta e a importância da professora Wilivane Melo.

O coordenador da Divisão e Diversidade Étnico Racial da Semed, professor Mário Martins, informou que a temática proposta para ser discutida nas escolas em alusão a Semana do Estudante caminha em duas direções ao mesmo tempo. Segundo ele, destaca a mulher negra na história e abre caminho para implantação da lei 10.639 que determina às escolas municipais a inserção do conteúdo sobre a cultura afro-brasileira dos povos africanos, povos que constituem a sociedade brasileira. Para ele, são momentos propícios para se tratar sobre a importância da mulher negra, na construção da sociedade brasileira em todos os seus aspectos. "Esse é um momento muito bom para se discutir e refletir sobre esse assunto e esperamos que realmente a temática seja discutida no "chão da sala de aula" com os nossas alunos, com esclarecimentos necessários durante a Semana do Estudante deste ano", concluiu.

Uma das homenageadas, Ana Cleide da Cruz Vasconcelos, 58, presidente do Quilombo Arapemã e coordenadora do movimento das mulheres negras de Santarém, na Raça e na Cor, cantora, compositora, autora de 29 letras e músicas. Desde 2005 é ativista da Federação das Organizações Quilombolas de Santarém, um movimento negro que integra 12 comunidades remanescentes de quilombos, no planalto e na várzea. Segundo ela, em 2009, criaram um grupo de mulheres negras dentro da Federação, denominado "Na raça e na cor", com a finalidade de cuidar da saúde, educação e da autoestima dessas mulheres. "O grupo de mulheres leva o nome da minha música "Na Raça e na Cor". A letra questiona: quem disse que negro não tem valor? Negro sente dor e na hora em que se usa o racismo contra o negro as pessoas que o praticam imaginam que o negro não tem valor, mas isso não tem nenhum sentido", destacou.

Ana Cleide falou da premiação que recebeu da Semed. Segundo ela, trata-se de um reconhecimento importante sobre o trabalho que realizou no decorrer dos tempos. "Esse prêmio significa que eu tenho valor, posso ser reconhecida, ser livre e viver onde eu quiser", concluiu.

A coordenadora da Quitanda Preta e também idealizadora da grife "Negrices Caripuna", Alessandra Caripuna representou uma das personagens homenageada na Semana do Estudante, a professora Wilivane Melo. De acordo com Alessandra, Wilivane Melo além de ter sido muito querida, militante do movimento negro também foi psicóloga, psicanalista e membro atuante junto às comunidades quilombolas, professora universitária, sendo também uma das primeiras coordenadoras da Divisão da Diversidade Étnico Racial da Semed. "A professora Wili é um ser de luz que deixou um legado muito importante pra educação, mas principalmente dentro da psicologia de ralações raciais", concluiu.

A programação de abertura da Semana do Estudante a Semed premiou com placas de reconhecimento pelos seus serviços prestados nas áreas da educação e dos direitos humanos a promotora do Ministério Público Estadual, Lílian Braga; A professora economista e mestre Girlian Sousa que também é Doutoranda em Desenvolvimento Socioambiental e Pesquisadora da área da Educação para as relações Étnico-Raciais; Ana Cleide da Cruz Vasconcelos, presidente do Quilombo Arapemã e coordenadora do movimento das mulheres negras de Santarém, na Raça e na Cor e a Coordenadora do Coletivo Negro da Universidade Federal do Oeste do Pará, Andressa Sousa.

Ednaldo Rodrigues Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação