Notícias

Atualizado em 14/02/2019 às 17h29

Atendimento antirrábico humano foi tema de capacitação no HMS


Capacitação preventiva e necessária.Mordedura de mamíferos é coisa séria. É tão séria que pode levar a morte se, através da mordida, o ser humano for contaminado com a doença da raiva. Os animais mais diagnosticados com essa doença são os cachorros, gatos, morcegos e macacos. No Hospital Alberto Tolentino Sotelo em Santarém (HMS), cães e gatos são que os que mais estão nos relatos dos pacientes que procuram atendimento após uma mordida.

Por esse motivo, os enfermeiros que atuam na Unidade, principalmente na triagem da urgência e emergência, participaram de treinamento sobre atendimento antirrábico. A capacitação ocorreu nos dias 12, segunda-feira, e 13, ontem.Confira o vídeo com o infectologista Dr. João Assy

A classificação de risco feita pelo enfermeiro na hora do atendimento é fundamental para que o médico aplique o tratamento correto. Segundo o infectologista Dr. João Assy, responsável pela capacitação no primeiro dia, as pessoas que chegarem na Unidade Hospitalar com mordedura terão uma ficha específica de avaliação. "Esses pacientes serão classificados de acordo com a complexidade do caso", explicou. O segundo dia de treinamento, ficou sob a orientação da Coordenação Regional de Zoonozes – 9º CRS, representada por Elizangela Gonçalves Leal.

Atenção para mordeduras dos animais - Em 2018, o Hospital atendeu 131 pacientes com mordedura de cachorro e gato. Dessas, 20 foram crianças. No primeiro mês deste ano, já foram 26 pessoas mordidas por esse tipo de animal; entre elas, uma criança.

O município de Santarém nos últimos anos não teve caso de raiva humana confirmado. Porém, o HMS ressalta que é fundamental estar atento à prevenção da doença. "A primeira ação depois de qualquer mordida de animal é lavar o local afetado com água corrente e sabão para poder limpar as bactérias, depois procurar o atendimento médico", recomendou o infectologista.

Infectologista Dr. João Assy, responsável pela capacitação no primeiro dia.O atendimento antirrábico humano é feito por soro e vacina, de acordo com a classificação. Esses dois agentes atuam como imunizadores, mas são usados em ocasiões diferentes, apesar de ter um objetivo comum. "A vacina é imunização ativa contra a doença e o soro estimula os anticorpos no organismo. Por isso, vale ressaltar que o primeiro atendimento é muito importante para os cuidados posteriores. Não temos como saber de imediato se o animal tem a raiva", concluiu o especialista.

Animais silvestres ou domésticos

Se alguém é contaminado com a raiva, existem alguns locais no corpo em que a doença pode evoluir mais rapidamente e de forma mais grave. São as regiões mais próximas do sistema nervoso central. Ou seja, ombro, pescoço e rosto. Uma mordida de um animal infectado em um desses locais pode ser fatal. "Mordidas de animais silvestres são classificadas como graves. Essas situações precisam de cuidados e atenção maior", explica Assy.

No caso de mordidas de animais domésticos, é necessário observação por um período de 10 dias. Desta forma, a equipe médica poderá aplicar o tratamento adequado.

Lembrando que é imprescindível que os animais domésticos sejam vacinados contra a raiva, garantindo tanto a proteção para o pet quanto para o dono

--
Natashia Santana - Assessora de Comunicação do HMS e UPA
093-9191-0655

Redação Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação