Notícias

Atualizado em 28/04/2018 às 16h45

Prefeitura e Ipam entregam livros escolares contendo repelente natural através da nanotecnologia


A Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), em parceria com o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), entregou sexta-feira (27), mil kits escolares com livros do Projeto "Amazon - Guerreiros da Amazônia" que contêm nanotecnologia com repelente natural. Os kits foram entregues nas comunidades de Saracura, Pixuna do Tapará, Santa Maria, Tapará-Miri, Tapará Grande e Costa do Tapará. As escolas polo vão encaminhar os kits aos anexos nas comunidades de Boa Vista, Correio do Tapará e Barreira, totalizando oito comunidades beneficiadas com os livros.

O projeto contou ainda com a participação da Ananse e da produtora RJR. A Ananse é uma empresa brasileira que desenvolve tecnologias de ponta para transportar ativos e fragrâncias e liberá-los de maneira controlada para uso em cosméticos, cosmetotêxteis, embalagens, amostras e marketing olfativo. A RJR é uma produtora de animação e editora que cria soluções eficientes para a concretização de desejos e ideias. Atua há mais de 12 anos no mercado produzindo animação, ilustração, design, web, multimídia e desenvolvendo projetos editoriais desde 2012.

O livro entregue é o intitulado "Templo da Luz", de autoria do escritor Ronaldo Barcelos. É o primeiro de uma trilogia que contará as aventuras dos novos super-heróis brasileiros, por meio do projeto.

De acordo com a sinopse do livro, trata-se da estória de três jovens que se perdem na Floresta Amazônica após sofrerem um acidente de avião. À beira da morte, são resgatados por índios que os levam para serem curados pelos Amazons, uma civilização secreta. Os jovens sobrevivem e a partir de então são treinados para tornarem-se guerreiros com poderes especiais dos animais da floresta, recebendo a importante missão de salvar a Amazônia da destruição e da ganância de um perigoso vilão. A sinopse é um convite para integrar uma grande caravana em uma viagem pelo coração da Amazônia, por meio da leitura.

Na ocasião de entrega estiveram presentes o professor Gabriel Abreu representando a Secretária de Educação Mara Belo, o técnico Márcio Roberto representando o Ipam, o assessor parlamentar Adelson Coelho representando o vereador Alaercio Cardoso (PRP) e as escolas representadas pelos diretores dos estabelecimentos que receberam os kits.

O representante da Semed justificou a ausência da secretária de educação Mara Belo, que em virtude de outras agendas na cidade não pôde participar da entrega dos livros nas comunidades. Na oportunidade, Abreu avaliou positivamente as metas de entrega dos kits às escolas, e disse que a proposta pedagógica do projeto pode ser reaplicada em todas as escolas do interior da Amazônia. Destacou ainda que o conteúdo do livro valoriza as pessoas do interior, destacando personagens típicos e que integram a realidade local das crianças. "Com isso o contexto cultural enriquece, uma vez que a criança se sente parte da história, identificando-se bem mais com os personagens", afirmou.

O professor disse também que percebeu uma felicidade patente no olhar das crianças ao receberem os kits fazendo como se sentissem parte do projeto, autores da própria obra, vendo-se ou sonhando para o mundo. "Eu percebi que havia um orgulho positivo no olhar e nos rostos das crianças ao receberem os kits", testemunhou. Enfatizou a importância da nano tecnologia utilizada na produção do livro com repelente natural feita pela Ananse, que é o diferencial do projeto, em se tratando, de uma leitura no interior da Amazônia onde as pessoas convivem com diversos tipos de insetos. "Para as pessoas que moram na cidade isso pode não significar nada, mas para quem vive no interior da Amazônia o biorepelente no livro é o grande diferencial", concluiu.

O representante do Ipam, Márcio Roberto, disse que os resultados da entrega dos kits foram positivos. Segundo ele, foi possível atingir a meta de entrega de mil kits para as escolas da região do Tapará e na comunidade quilombola Saracura. Ressaltou que o próximo passo será a efetiva aplicação em sala de aula da metodologia que o livro propõe, bem como os resultados sobre a aceitação da obra pelo público que o projeto pretende atingir que são alunos das séries iniciais."Esse trabalho junto às escolas que já receberam os kits será desenvolvido pela Semed a partir do segundo semestre de 2018".

Roberto lembrou ainda que outra meta que precisa ser alcançada pelo projeto é a ampliação do público com uma cobertura total das escolas de várzea do município de Santarém. O técnico destacou ainda que percebeu uma evidente expectativa das crianças ao receberem os kits, o que pode despertar nos alunos uma curiosidade, em virtude da novidade que o livro traz, e consequentemente, o hábito da leitura.

O representante da Câmara de Santarém, Adelson Coelho, disse que se trata de uma resposta positiva sobre as pesquisas que são feitas na Amazônia e que os kits vem como um retorno aos moradores das comunidades de várzea que convivem com uma realidade típica. "A tecnologia em favor da educação e o mais importante: vem atender as pessoas que realmente precisam do incentivo à leitura", constatou.

Escolas contempladas com o Projeto 

Os alunos da escola Nossa Senhora do Livramento, na comunidade quilombola Saracura receberam os visitantes com apresentação das músicas "Meu pai quilombo" e "Sorriso Negro". Foram entregues 176 kits, mesma quantidade de alunos matriculados. O diretor da escola, Ederlan das Neves, destacou que o projeto é muito importante porque vem fortalecer o conhecimento sobre a realidade cultural da própria Amazônia.

A escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, na comunidade de Pixuna do Tapará, recebeu um total de 56 kits do projeto, atendendo todos os alunos. Para a diretora da escola, Elisiane da Rocha, o projeto de leitura tem grande relevância à comunidade escolar. "Esse projeto vem para contribuir com a amplitude do conhecimento de nossos alunos", afirmou. A diretora afirmou ainda que a tecnologia do repelente natural constante nos livros também representa um ganho a mais, pois pode ajudar na prevenção de doenças transmitidas com a picada de insetos, muito comuns nas comunidades de várzea.

A Escola Municipal Coração de Jesus, foi representada pela professora Gigliola Maçaranduba que recebeu 70 kits, para distribuir às crianças. "O projeto fará muito bem aos alunos e vai contribuir com novos conhecimentos, porque a leitura abre novos horizontes", observou a professora.

A Escola São Jorge, na comunidade do Tapará Grande, recebeu o maior número de kits, pois a partir dela, os mesmos serão distribuídos às escolas anexas nas comunidades: Boa Vista, Correio do Tapará e Barreira. A secretária escolar, Alda Almeida foi quem recebeu os kits e declarou que o projeto vai atender 60 alunos, despertando neles o hábito da leitura. "Estou convicta de que esses kits vão incentivar nossas crianças a prática da leitura, motivados pelas novidades que o livro traz", concluiu.

A escola São Benedito, na comunidade Costa do Tapará também foi contemplada com uma remessa de kits para atender 290 alunos.

A diretora Edilena Ferreira disse que a escola enfrenta sérios desafios sobre a falta de hábito da leitura dos alunos. Embora estejam sendo enfrentado, desde agosto do ano passado o índice de desinteresse pelos livros aumentou e acredita que o projeto pode ajudar na superação dessa dificuldade.

O berço do Projeto

A comunidade de Tapará-Miri foi o berço do Projeto Amazon – Guerreiros da Amazônia quando, em 2017, foi gravado um filme onde está instalada a Escola Municipal Dom Pedro I dando, portanto origem ao livro. A diretora da escola Idelvânia Miranda, é uma entusiasta do projeto e foi quem recebeu os kits para distribuir aos alunos. Segundo ela, trata-se de uma integração que envolve o Ipam, a Semed e a comunidade, tendo tudo para dar certo, uma vez que o livro tem a ver com a comunidade local. "O aluno pode ser um super-herói ao defender a educação como meta prioritária de sua vida, assim como ajudar a preservar o meio ambiente", ressaltou.

A professora fez parte do filme gravado na comunidade e, por isso, sentia-se muito feliz pela premiação internacional que projeto conquistou. "Eu sempre acreditei, mas sem imaginar que fosse chegar tão longe e conquistar uma importância grandiosa à educação do interior da Amazônia", elogiou.

Para Idelvânia o projeto, o filme e o livro trouxeram três elementos muito ricos e importantes: conhecimento, carinho e cuidado. Além disso, pedagogicamente, o livro está alinhado com a realidade local por meio da linguagem própria aos alunos associando-os às disciplinas o que pode estimular o interesse, ampliar conhecimento e despertar nos estudantes o desejo de criar as suas próprias histórias a partir da realidade local.

O repelente natural é a grande novidade do livro funcionando como uma proteção contra insetos, dando condições ao estudante de ler à noite, o que também irá contribuir com o aprendizado. Na oportunidade, Idelvânia em nome dos pais, professores e alunos agradeceu ao Ipam e a todos os envolvidos no projeto, bem como, o apoio incondicional da Prefeitura por meio da Semed.

A metodologia do livro também foi um ponto destacado pela professora, por ter caráter político, libertador, conscientizador e inovador, tendo similaridade com a metodologia do autor Paulo Freire sobre os métodos de alfabetização, que traz uma reflexão crítica, apurada e necessária ao crescimento do estudante das séries iniciais.

O livro utiliza uma linguagem acessível, destacando elementos da cultura local, o que o torna mais interessante e compreensível. Os personagens também são locais, o que ajuda e estimula os alunos a ler e refletir sobre algo que conhece, além de estimulá-los a redigir, criar suas próprias histórias e despertar a criatividade por meio de uma linguagem simples e atraente.

Ednaldo Rodrigues Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação