Notícias

Atualizado em 06/02/2018 às 17h20

Lojistas participam de intervenções de educação ambiental para o combate à poluição sonora


"Quando a gente entra na loja que está com som alto, às vezes não conseguimos nem entender o que o atendente está falando. Se o som fosse mais baixo, as compras se tornariam mais agradáveis". Essa é a constatação da dona de casa Patrícia Farias, de 32 anos, ao ser abordada quanto aos problemas que o som de caixa amplifica provocam às pessoas que vão fazer compras no centro comercial de Santarém.

Para combater esse tipo de problema, a Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), iniciou intervenções com equipe do Centro Municipal de Educação e Informação Ambiental (Ciam) nesta terça-feira (06).

De loja em loja, os técnicos realizaram a distribuição de material informativo como folder e adesivos que dispõem de orientações sobre os males causados à saúde  por conta do volume em excesso produzido por aparelhos de som amplificados, comumente utilizados para propaganda.

"Nossa intenção hoje é orientar os comerciantes. Sabemos que esse é um mal sério ao ser humano, podendo causar surdes, estresse, dor de cabeça e entre outros danos à saúde. Por isso, queremos que os empreendedores possam nos ajudar, tendo consciência ambiental, respeitando o direito de sossego e tornando a nossa área urbana mais agradável para quem vai às compras", ponderou o educador ambiental João Corrêa.

O comerciante Wagner Santana parabenizou a iniciativa. Para ele, ações como esta vão sensibilizar os lojistas para que não prejudiquem o comércio: "Só o fato do lojista não incomodar o outro com som alto, isso já vai ajudar e muito nas relações de compra e venda. Podemos observar isso só no modo como abordamos o cliente, se você fala com um tom mais alto, isso prejudica o atendimento e falando mais calmo é melhor. Portanto, essa iniciativa é louvável tanto para o comerciante quanto o consumidor".

Saiba mais:

As atividades de educação ambiental no centro comercial de Santarém vão se estender até a sexta-feira (9) quando 33 pontos críticos, mapeados pelo Centro de Dirigentes Lojistas (CDL), serão visitados pelos técnicos ambientais. A iniciativa faz parte de demanda do Ministério Público Estadual do Pará (MPPE) que vem recebendo denúncias sobre a poluição sonora no Centro de Santarém.

Como fazer as denúncias?

Em casos urgentes o cidadão pode realizar as denuncias ligando para o Niop (190), ou apresentar as demandas à Semma pelo (93) 35222 5452, ou pessoalmente à Secretaria, localizada na Trav. Silva Jardim, nº 370, bairro Aldeia. O nome do cidadão será mantido em absoluto sigilo.

Quais as punições?

- O estabelecimento que for denunciado receberá vistoria da equipe de fiscalização
- O criminoso ambiental será notificado;
- Poderá ser multado em infrações que variam entre R$ 1.225,00 a R$ 490.000,00;
- Interdição do local;
- Apreensão dos aparelhos;
- Sanção criminal;
- Suspensão/cassação da licença do empreendimento;

Júlio C. Guimarães Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação