Notícias

Atualizado em 21/03/2020 às 14h56

Costureira se solidariza com profissionais de Saúde e doa máscaras de tecido em prevenção a Covid-19

Marília Cavalcante Pessoa, de 50 anos e costureira deste os 19 anos, demonstra preocupação com o avanço dos casos positivos no BrasilMesmo com todo o alvoroço que a população mundial passa, em momento de pandemia do coronavírus, em Santarém, no oeste paraense, a senhora Marília Cavalcante Pessoa, de 50 anos e costureira deste os 19 anos, demonstra preocupação com o avanço dos casos positivos no Brasil, principalmente com familiares que trabalham na área de saúde. Mesmo sem casos positivos a profissional iniciou na última quinta-feira (19), doações de máscaras em tecido, para profissionais da Saúde de seu círculo de convívio.

Marília explicou como surgiu a ideia. “Minha irmã é Agente de Saúde da interventorIa, também é paciente oncológica em final de tratamento, e está no grupo de risco. Vi essa escassez de máscara e resolvi fazer, para a proteção dela e fiz a primeira. Tenho amigos que tem filhos, que também fazem tratamento oncológico e comecei a fazer para essas pessoas. Não sei como essa história vazou, pois nem tive mais tempo para outras coisas”, ressaltou.

“Como eu tenho muito tecido, tenho muitos retalhos 100% algodão, que é o recomendado, minha ideia inicial é a doação aos profissionais de saúde, que estão se expondo aos riscos do coronavirus. Já produzi mais de 100 máscaras e trabalho sozinha, tenho meu trabalho com costura e neste momento que estão sendo suspensos principalmente os eventos, tive a iniciativa de trabalhar nessa produção de máscaras. Já avisei aos meus clientes que essas duas semanas vou me dedicar para a confecção dessas máscaras e incentivo outras profissionais a tomarem a mesma atitude”, continuou.

De acordo com a pesquisa da profissional, a recomendação é que a máscara seja trocada a cada duas horas. “Fiz pesquisa sobre o assunto, com meus familiares da área da saúde e tem regiões que estão usando esse tipo de máscara em centro cirúrgico. Os procedimentos são de lavagem com água e sabão, passa no ferro bem quente, pois a temperatura fora do organismo humano, a alta temperatura mata o vírus, e o ferro de passar tem alta temperatura. E por medidas de mais precaução as máscaras podem ser fervidas, pois ela é 100% algodão que aguenta altas temperaturas”, concluiu.

A costureira, que segue as recomendações de isolamento social, afirma que está adotando a medida, pois em sua casa tem uma idosa de 80 anos, sua mãe, que precisa de cuidados, pois está no grupo de risco.

Acompanhe as ações da Prefeitura de Santarém nas redes sociais:
Facebook: https://pt-br.facebook.com/prefeituradesantarem/
Instagram: @prefeituradesantarem
Youtube: Canal da Prefeitura de Santarém

Tadeu Pinho Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação